domingo, 10 de dezembro de 2017

O Brasil no alvorecer de um novo ano.


O avanço da direita e como conjurá-lo


A solução,a meu ver,para conjurar este avanço da direita é recuperar a unidade da nação.
O falecido Tancredo Neves dizia,pouco antes de se eleger  Presidente,que só quando se esgotasse a experiência trabalhista haveria uma social-democracia moderna no Brasil.E é verdade.
O trabalhismo histórico ,em todos os lugares,marca um tipo de interação entre as classes,na base dos ganhos concretos.O trabalhismo nasceu na Inglaterra ,com o cartismo,que nunca se envolveu com a ideologia,mais próxima do continente europeu.
A social-democracia deriva da ideologia ,mas,de certo modo,rompe com ela,buscando um contato mais concreto com a luta (e colaboração)de classes,a partir de uma concepção teórica,que reconhece ,entre outras coisas, o papel das nações, a diferenciação entre elas.
A titulo de hipótese de trabalho,nós podemos dizer que a vida política da esquerda ,do século XVIII até agora ,vai do trabalhismo para a social-democracia.Foi esta última,que,sem cataclismos(eu não quero cataclismos no Brasil)criou nações modernas ,como as nórdicas,num período relativamente curto.É bom lembrar que estes países não participaram do neo-colonialismo(iguais  ao Brasil).
No Brasil,após a segunda guerra, o trabalhismo seguiu seu curso,interrompido pela ditadura.Até agora ele não se recuperou e a social-democracia que se propôs não é mais do que um ajuntamento de nomes e fortunas(com exceção do ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso que conhece os fundamentos teóricos do problema[Almino Afonso também]{mas não sei onde está}).
Como resultado chegamos a um momento em que um PT,sem fundamentos históricos e teóricos e que se esperava fosse o caminho para uma esquerda moderna,dividiu o país.Neste vácuo e acuamento da classe média a direita cresce a olhos vistos.
Ela se lança agora para o pleito de 2018 porque não tem muita força.Era o que se dizia de Hitler em 1930...
Com os problemas graves ,econômicos e políticos ,e a crise de confiança entre governantes e governados por causa da corrupção,convém não desdenhar a capacidade da direita de se cristalizar como alternativa de classe média.
Isto é,os setores democráticos representados pelas candidaturas pré-lançadas de Álvaro Dias,Alckmin,Marina e Ciro Gomes precisam entender as suas tarefas fundamentais de hoje.
Ciro Gomes não conta,porque elegê-lo é o mesmo que eleger Lula ou Dilma.O Senador Álvaro Dias é um homem sério e coerente,mas não é experiente e é relacionado com um partido que não relaciona  o problema ecológico com a questão social e o projeto nacional.Alckmin é de direita e tem grande chance  de carrear a direita (Bolsonaro)para si e se eleger.
Notem que eu não citei nem Bolsonaro,nem Lula.Bolsonaro não tem nada a ver com a direita ideológica,mas se beneficia de seu crescimento.A sua chance é representar a classe média acuada.Lula não deveria se candidatar para deixar o Brasil seguir.Lula eleito vai tornar o Brasil refém de um sentimento de vingança e mais dividido ainda.O Brasil ,com ele ,se tornará uma Venezuela e entrará em crise.O papel de Lula é teórico,o de reformular o PT,mas eu não sei se ele tem condições de fazê-lo ou alguém no Partido.
Resta Marina.As tarefas de Marina são a de reunir as duas classes produtivas no projeto nacional e pacificar o Brasil.Com isso ela terá condições de exigir de todos os atores econômicos do Brasil ,sacrifícios para sairmos deste desemprego nunca visto e que atinge a classe média como nunca.Ela precisa começar a  ganhar a classe média e afastar os extremos desde já.
O que me preocupa nela é a relação com a  religião,a dificuldade em incorporar o laicismo e as relações com a questão ecológica e seu significado social e nacional.
Para isto é preciso que ela ponha o seu pensamento a partir do inicio do ano.

O juiz Moro errou ou está na política?



A justificativa do juiz do Moro em não prender o Presidente Lula depois da sua (primeira?)condenação,foi a de que com isso a tensão no país cresceria,com conseqüências maléficas.
Mas se houver uma prisão perto da eleição do ano que vem não será pior?Ou melhor,não seria melhor para criar um clima de golpe realizar isto neste período eleitoral tão sensível?A polarização que sobreviria não seria algo ainda mais letal para o país ,com a esquerda se vitimizando e a direita atacando,como está ainda,mesmo na obscuridade,quero dizer,sem repercussão midiocrática?
Uma vez ,quando Hitler iniciava a sua carreira ascensional de “César progressivo”(conceito de Gramsci),lhe disseram para amenizar os seus discursos e evitar conflitos,ao que ele disse:”mas é conflito o que eu quero,pois só assim teremos repercussão”.A direita é sempre assim,provoca para aparecer como um elemento de estabilidade e moralização.
Será que a não-prisão do ex-presidente obedece a este desenho por demais conhecido?O juiz Moro é Juiz ou político?Ou os dois?
Se a prisão é decorrente da lei e é necessária para evitar a continuidade do crime porque não foi feita?Não é mais prisão preventiva.A não prisão preventiva já foi um problema,porque Lula podia fugir.Porque,pergunto eu,como cidadão,a situação de Lula foi tão especial,em relação aos outros?Aguardo resposta.
Este vicio de origem acaba nos obrigando a pensar em termos políticos,porque o melhor é ele ser preso no inicio do ano  e o mais longe possível do pleito.Mas este raciocínio é falho porque sobrepõe a política ao direito,o que joga água no moinho da  direita e do golpe

O Guia do Politicamente Incorreto

Segue o Drama


Eu pensei que já tinha visto tudo.Mas não,a coisa piorou.Depois das acusações mal fundamentadas contra Santos-Dumont, apareceu uma defesa da elite de Ipanema na questão do tráfico negreiro.Você leitor que se acostumou na escola a ler os poemas de Castro Alves sobre o horror do tráfico e sobre as condições da senzala,que leu as narrativas dos escravos que chegavam da África  nos portos,chorando,foram enganados!Mary Del Priore revelou a verdade:eles chegavam no Valongo e recebiam flores,doce de leite,perfumes.
Detesto estes professores especializados,cheios de antolhos.Eles não olham senão para o próprio umbigo.Não vêem a sua função social enquanto professores,mas só a carreira,só a autoridade.
Os guias que estão veiculados pelo History Channell fazem parte de uma ofensiva de direita,que,inclusive envolve a direita do movimento negro,que existe.Aqui um parêntesis:o History Channel vende para o Brasil,passa no Brasil, e não poderia,como canal que se supõe científico,se prestar a este papel,de correia de transmissão de interesses dos Estados Unidos,a matriz.
O truque desta série é fácil de identificar:inicialmente alguns temas já conhecidos academicamente(mas não do público possivelmente),como o Aleijadinho,Zumbi e Euclides da Cunha,preparam o terreno para a verdadeira bomba no final!A escravidão não foi tão violenta assim...
Nos últimos anos ficou claro que a elite de Ipanema é descendente dos traficantes de escravos .Tirando alguns setores judeus e outros setores democráticos(Chico Buarque mora em Ipanema)Ipanema representa isto.
Pode-se provar que a mentalidade é  a mesma quando se vê a reiteração da tentativa de segregar setores mais pobres do Rio de Janeiro,da praia.Hildegard Angel,irmã do comunista Stuart Angel,vive capitaneando a idéia de privatizar a praia(duvido que seu irmão o defendesse ...)e este modelo segregacionista e desnacionalizador foi exportado para a barra da tijuca,onde puseram uma estátua da liberdade,que conecta a região diretamente com os Estados Unidos.Eu já me referi em outros artigos à intenção de emancipar a barra.A lagoa de Jacarepaguá, a restinga, não vão ser limpas enquanto isto não acontecer...
César Maia tentou chamar a Vieira Souto de Avenida Tom Jobim e foi o que se viu...
Tudo isto compõe um quadro muito claro que serve de moldura para esta reação ideológica e intelectual expressada por nefandos guias do politicamente incorreto.E não se iluda o leitor que os Estados Unidos não tenham conhecimento disso e não interajam...
O que é ser politicamente correto?Criar um parlamento para fazer leis que não são cumpridas não é incorreto?Ser bom não é correto?Ser moral não tem validade?
Todo este pântano que estes professores e estes publicistazinhos estão criando é justamente para diluir o modelo nacional-democrático que começou a ser montado com os partidos do segundo governo Getúlio e que foi destruído pela ditadura militar.
A esquerda, que não tem vinculação com o projeto nacional-democrático,mas com a hegemonia da “ classe operária”, joga água neste moinho.É uma disputa entre elefantes para dominar o Brasil.
Mas historicamente,a direita ,que não tem fundamentos senão no apelo da estabilidade,tem mais facilidade de cristalizar o seu projeto com este único item,diante da situação caótica em que vivemos.O quadro atual permite ,pela primeira vez,o nascimento de um partido clássico de direita sem a contrapartida de um trabalhismo ou de uma esquerda ideológica,social-democrática,moderna.Se isso acontecer é uma das maiores tragédias da História brasileira e ainda se pode  evitar.
A lógica de todo negociante ,inclusive Al Capone e Lucky Luciano,é que a sua empresa prospere,em paz.Assim raciocinavam os negreiros.A garantia de paz era submetida ao imperativo da continuidade do lucro e da exploração.É lógico que toda a medida de “ liberalização” da vida cotidiana do escravo contribuía.A colaboração entre as classes,como eu já expliquei,existe na História,mas isto pode ou não ser bom ou ruim,dependendo da época,lugar ,e objetivos que a cimentam.
No caso da escravidão ocorre o mesmo que nos campos de extermínio do nazismo.Não há prova de que no campo de Cracóvia o chefe,Amon Goeth,retratado por Steven Spielberg,atirando nas pessoas,o fizesse,mas a explicitação expressa uma tensão real e uma narrativa legítima.Só que não.Os “ soldados políticos” de Hitler eram ensinados a fazer tudo em paz e escondido(Maquiavel[capitulo 8 de “ O Príncipe”]),para evitar problemas na matança.
Em Auschwitz havia uma orquestra(de judeus)para receber os prisioneiros.Esta é a lógica da escravidão,do negócio.Não é propriamente “ interação de classes” ou “ etnias”,mas NEGÓCIO.
As descrições dos cronistas de época davam conta de que a chegada dos escravos nos portos,desde o inicio,era algo terrível,com choro e ranger de dentes.Os navios negreiros são a  antecipação ,nos mares,de Auschwitz.As pessoas morriam aos montes,vomitavam o tempo todo.Os cadáveres de famílias inteiras eram jogados no mar.E daí que o negro escravizava o negro?O sofrimento não é o mesmo?O branco não se beneficiava?
É vergonhosa esta narrativa sofistica que só prosperou porque o PT dividiu o Brasil.A classe média,justamente com medo,serve de base para este movimento.
O processo de embranquecimento do Brasil ,muito intenso na década de 1920,(Nina Rodrigues,antropólogo ,considerava o negro naturalmente criminoso)representava uma continuidade com os propósitos da elite da Regência e depois do  Imperador Pedro II,que importou a mão-de-obra européia no Sul do Brasil,antes ,durante e depois da revolução farroupilha..
O historiador Boris Fausto diz que a unidade e independência do Brasil foram garantidos pela monarquia,pelos Bragança,para manter a escravidão,o modo-de-produção escravista.Aliás quando Pedro I foi à São Paulo o seu interesse não era mais do que manter a província junto ao Império,já que se separasse ,como ela queria,o edifício todo ruiria.
Mas porquê a regência e Pedro II  tomaram esta decisão  no Sul?Porque o motivo da Revolução Farroupilha,um dos mais importantes, era a questão da escravidão,a mudança do modo-de-produção.Ao importar os europeus o problema do trabalho nesta região deixou de existir e o motivo da revolta acabou,apenas se deslocando para a questão da república.As lutas no Sul,que levaram a Getúlio ,se intensificaram com a formação de um republicanismo nacional,em 1870,oposto à monarquia.
Jorge Caldeira,em seu livro sobre Mauá não acentua esta verdade:o capitalista que poderia impulsionar o desenvolvimento do Brasil,era ligado ao republicanismo de antes de 1870,separatista,portanto.Inúmeras vezes Mauá tentou viabilizar uma república no Sul incluindo o Uruguay.Este foi o motivo pelo qual o Imperador Pedro II nunca quis lhe dar um apoio real.A elite cafeeira do Rio de Janeiro jogou com este fato real e impediu a substituição do latifúndio pela indústria.
Agora se fala muito que deveria ter havido um terceiro reinado,com a Princesa Isabel como governante,mas estes eventos impediram-na de obter apoio político.
A vinculação da figura da Princesa com a padroeira do Brasil,trazida por um outro epígono da direita(monárquica) “ moderna” brasileira ,Leandro Karnal,prossegue com este projeto regressivo,anti-republicano.A direita católica se faz presente depois que a esquerda perdeu o trem da História e insiste em não reconhecer os seus erros  e projetar uma outra plataforma,para além do marxismo.